sábado, 4 de outubro de 2008

O quarto é seu - II

Tudo o que existe, existe de maneira hermética? As questões que se iniciam por “se”, seguem intercaladas por um “logo”, e terminam em um conclusivo ponto final; devem estas questões ser visualizadas enquanto intocáveis anátemas? A suástica estará eternamente associada ao Nazismo, e estarão eternamente amaldiçoados à incompreensão os seguidores de Ganesha? Eu me pergunto.
[Björk: “5 Years”]
Tudo está intima & irreversivelmente relacionado? Seria inconcebível a idéia “X”, que fosse contra conceitos pré-idealizados, simplesmente existir, não associada a nenhum outro valor semântico? Neste momento, me pergunto por que o Dadaísmo não uma matéria obrigatória na grade curricular do Ensino Fundamental. Talvez as pessoas conseguissem compreender as flores como flores, e não como “representações da capacidade sexual/frutífera das plantas”, ou outros inúteis, descabidos e perigosos preciosismos. Mas contento-me com a leitura de Alberto Caeiro, que também funciona bem contra este mal.
[Herb Alpert: “Bittersweet Samba”]
Poderia, ao acaso, existir uma transgressão de todas as regras estabelecidas? Bom, as chaves para a expulsão de Lilith do Éden, a maldição sobre a descendência de Eva & Adão, a Ordem dos Cainitas, o surgimento das vanguardas e muitos outros acontecimentos de extrema importância para o progresso da humanidade se deram em virtude da transgressão. Então, penso que deva haver uma razão para a inibição eterna da transgressão por parte daqueles que portam a luz (questões de luz e escuridão serão tratadas em um texto à parte). A manutenção da situação vigente, talvez? Sim, encontramos a resposta em uma sentença simples: SÃO-NOS APRESENTADOS NÚMEROS LIMITADOS DE ALTERNATIVAS PARA A MANUTENÇÃO DA SITUAÇÃO VIGENTE.
[The Birthday Party & Lydia Lunch: “Big Jesus Trash Can”]

[Adendo do exemplo: O jornalista, sociólogo e professor da ECA-USP Ciro Marcondes Filho trata deste panorama em seu “Violência Política”, de 1987, atendo-se aos meios de comunicação]

[Nine Inch Nails: “Wish”]
Eu, insuflado pelo teor político pré-eleitoral, poderia fechar os significados deste texto no âmbito político, mas ele se encaixa também em outros olhares. Todos os tipos de olhares.
[Marisa Monte: “Depois de Ter Você”]
Meus caros companheiros leitores, por muitas vezes visualizamos opções escassas à nossa frente. Mas a abstinência também é uma opção, e isso quase nunca é lembrado. Mostram a brincadeira das estelinhas vermelhas do Jason (cuidado com o “Domingo 13”); os urubus vestidos de azul; até o DEMO CRAvou suas mãos nas mentes de muitos (e olha que o representante máximo do DEMO CRAva as marcas de seus pés rumo ao topo do mundo com métodos quase totalitários), mas ninguém mostra que pode-se apertar o 00 e o botão verde. Cuidado com o Domingo Cinco! Há uma atriz muito bonita ensinando como entregar o controle de sua vida nas mãos deste ou daquele, ou mesmo como entregar sua escolha a là Tabula Rasa. Mas lembre-se: você não é obrigado a escolher entre os piores e os “menos piores”. Você pode simplesmente dizer não. Você tem o quarto caminho. E, se você quiser, o quarto é seu.

Metallica: “... And Justice For All”

Um comentário:

Amanda Bia disse...

entendiiiiiiii!!! muito bom! concordo mesmo! chega desse negócio de escolher o que os outros vão achar menos pior!
beijo!